Pular para conteúdo

Programa Institucional de Bolsa de iniciação à docência

O PibID é uma iniciativa para o aperfeiçoamento e a valorização da formação de professores para a educação básica.

O programa concede bolsas a alunos de licenciatura participantes de projetos de iniciação à docência desenvolvIDos por Instituições de Educação Superior (IES) em parceria com escolas de educação básica da rede pública de ensino.

Os projetos devem promover a inserção dos estudantes no contexto das escolas públicas desde o início da sua formação acadêmica para que desenvolvam ativIDades dIDático-pedagógicas sob orientação de um docente da licenciatura e de um professor da escola.

Objetivos do Programa

  • Incentivar a formação de docentes em nível superior para a educação básica;
  • contribuir para a valorização do magistério;
  • elevar a qualIDade da formação inicial de professores nos cursos de licenciatura, promovendo a integração entre educação superior e educação básica;
  • inserir os licenciandos no cotIDiano de escolas da rede pública de educação, proporcionando-lhes oportunIDades de criação e participação em experiências metodológicas, tecnológicas e práticas docentes de caráter inovador e interdisciplinar que busquem a superação de problemas IDentificados no processo de ensino-aprendizagem;
  • incentivar escolas públicas de educação básica, mobilizando seus professores como coformadores dos futuros docentes e tornando-as protagonistas nos processos de formação inicial para o magistério; e
  • contribuir para a articulação entre teoria e prática necessárias à formação dos docentes, elevando a qualIDade das ações acadêmicas nos cursos de licenciatura.

 

 

PIBID: Subprojeto Pedagogia/Castanhal

 

Apresentação

O Subprojeto Pedagogia/Castanhal busca enfrentar o histórico distanciamento existente entre o curso de Pedagogia e a realidade das escolas do meio rural, através da inserção dos futuros pedagogos no cotidiano vivido em instituições de ensino instaladas naquele ambiente, de modo a proporcionar-lhes um olhar mais abrangente sobre a qualidade, o alcance e as finalidades das políticas públicas de educação ofertadas aos povos do campo.

A Educação do Campo se identifica com a diversa e rica cultura dos povos do meio rural; caminha de mãos dadas com seu projeto de desenvolvimento endogenamente concebido, mas articulado globalmente com à construção de novas relações sociais na sociedade como um todo; pensa a educação para além da escola, mas reconhece a importância desta no processo de construção da autonomia política e econômica dos sujeitos do campo.

Todavia, embora nos últimos anos o Brasil tenha produzido várias legislações, projetos e programas voltados à educação dos sujeitos do campo, os cursos de formação inicial de educadores ainda, em sua grande maioria, se encontram à margem desse debate.  Nesse sentido, constatou-se que o curso de licenciatura em Pedagogia oferecido pela UFPA/Campus Castanhal não possuía em seu desenho curricular componentes curriculares obrigatoriamente voltados à discussão das especificidades culturais, econômicas e educativas dos povos do campo, embora 31,5% da população paraense habite no meio rural.

Neste contexto, pode ser destacado o fato de 2.389.492 habitantes do campo paraense, 13,9% são crianças de 0 a 5 anos, faixa etária da educação infantil e 22,3% encontram-se na faixa dos 6 a 14 anos, idade cuja frequência à escola de ensino fundamental é obrigatória (IBGE, 2010). Mesmo diante dessa realidade, os cursos de Pedagogia, na sua maioria, tiveram o sujeito e modelo urbano a ser perseguido pelo processo socializador da escola, fato que ocasionou a não preocupação efetiva com as evidentes particularidades culturais e econômicas vivenciadas pelas populações do campo.

Desta feita, inserindo os futuros pedagogos no ambiente rural e, mais especificamente no interior da escola de ensino fundamental ali em funcionamento, o projeto gera contributos para uma formação docente mais abrangente e problematizadora, frente ao atual quadro da educação pública no nordeste paraense. Na execução das atividades de formação são planejadas, executadas metodologias emancipadoras que favorecem a ação e o diálogo entre os sujeitos envolvidos no projeto.

Objetivando ainda garantir e fortalecer aos estudantes do curso de Pedagogia experiências teóricas e práticas pedagógicas nas escolas do meio rural, as ações formativas são desenvolvidas, com o apoio dos supervisores das escolas selecionadas, e na parceria universidade/educação básica bem como as  demais atividades pedagógicas vivenciadas  em diferentes tempos e espaços ao longo do período de execução do projeto.

 

Impactos

Muito foram os impactos positivos causados nos processos formativos, e a partir das ações teóricas/práticas realizadas pelo Programa, que contribuíram para formação dos graduandos do Curso de Pedagogia, e demais licenciaturas, bem como para a formação continuada de profissionais de Castanhal e municípios circunvizinhos, viabilizadas através de: oficinas; minicursos; palestras; seminários; círculos de estudo; exposições; trilha pedagógica;  os quais foram realizados nas dependências do Campus Universitário, e nos municípios em que o projeto atua. 

Destaca-se ainda como impacto relevante a formação dos graduandos em pedagogia especialmente, os concluintes (bolsistas) do projeto, aos quais foi possibilitado consistente base teórica/ pratica atrelada a fundamentação empírica, uma vez que o projeto possibilitou vivencias e experiências impares dentro de escolas do campo, favorecendo reflexões sobre necessidade de práticas diferenciadas, emancipadoras  nas escolas do meio rural.

No âmbito da formação inicial e continuada de professores foram realizadas ações teóricas/praticas via seminários, oficinas, minicurso, buscando articular, favorecer a implementação de práticas pedagógicas emancipatórias, fundamentadas nos princípios da educação do campo, afim de contribuir com o fortalecimento de uma  educação que valorize os saberes dos povos do campo, das águas e das florestas.

Cabe destacar que o projeto buscou estabelecer parcerias com a Fórum de Economia Solidaria, Fórum Nacional de Educação do Campo (FONEC), e o Fórum Paraense de Educação do Campo (FPEC), Movimentos Sociais, em especial o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). Estas parcerias contribuíram para a obtenção de importantes resultados a curto e médio prazo, tais: como a reativação do Fórum de Educação do Campo do Nordeste Paraense, com sede em Castanhal, envolvendo o IFPA, movimento social, redes de ensino municipal e estadual, dentre outros parceiros.

Além da criação e implementação do Disk denúncia, contra o fechamento das escolas do meio rural, que funcionará no Campus Universitário de Castanhal a partir de 2016. Este instrumento de denúncia teve sua idealização a partir da articulação entre o Fórum Paraense de Educação do Campo (FPEC) e o PIBID-Pedagogia/Castanhal. Existe ainda a possibilidade da oferta de um curso de pós-graduação lato-sensu em Educação do Campo, no Campus de Castanhal.

 

Contribuições para as Licenciaturas da IES:

O Programa possibilitou difundir no Ensino Superior, na Educação Básica elementos teóricos e práticos referentes a Educação do Campo, bem como fomentar a discussão, não apenas no Curso de  Pedagogia, como também nos Cursos de Licenciatura do Campus  ( Letras, Espanhol, Matemática e Educação Física) e bacharelados ( Medicina Veterinária, Sistema de Informação, Engenharia da Computação).

Cabe destacar que a discussão de Educação do Campo fomentada pelo programa ultrapassou as fronteiras da Universidade Federal do Pará (Campus Castanhal),  favorecendo o despertar do interesse de docentes e graduandos de outras instituições ( IFPA, UEPA) e  graduandos de diversos cursos de Faculdades Particulares.

Valido destacar a produção coletiva das ações formativas do programa, pois o planejamento, a execução e avaliação das atividades constantemente envolveu um número significativo de protagonista, fato que possibilitou o alcance dos objetivos esperados.

 

Desafios

O Planejamento das ações formativas de caráter teórico/prático do PIBID-Pedagogia/Castanhal é realizado no início do ano, com os bolsistas do projeto e socializado com a comunidade acadêmica. No entanto, algumas atividades, foram prejudicadas na totalidade da sua realização em virtude de algumas dificuldades encontradas, no período de execução das mesmas, dentre os entraves encontrados elencamos alguns na sequência:

A greve dos professores da Rede Municipal de Ensino do município de São Francisco e Igarapé-Açu Castanhal/Pará foi um dos desafios do programa que precisou ser superado. No período de paralisação das aulas nas escolas em greve, os bolsistas não tinham como executar as atividades planejadas. Em virtude desta situação as datas de retorno das aulas também ficaram incertas, o que demandou um replanejamento. E com o objetivo de evitar a paralização das atividades, a alternativa encontrada foi intensificar as reuniões de estudos de caráter formativo sobre a temática da Educação do Campo, no Campus Universitário e promover eventos de formação para a comunidade acadêmica.

Além da greve dos professores da rede municipal de ensino, também ocorreram dificuldades no Campus Universitário, quando técnicos, professores e graduandos das IES aderiram ao movimento grevista, realizado por vários órgãos públicos. Com isso, durante esse período foram realizadas atividades no interior do Campus Universitário, no entanto, determinadas tarefas de caráter mais burocrático foram inviabilizadas; dentre as quais podemos citar a diminuição do número de viagens para outros municípios, e consequentemente algumas atividades de campo foram canceladas.

 

Considerações

O projeto PIBID-Pedagogia/Castanhal vem conseguindo alcançar os objetivos propostos no delineamento de seu planejamento anual planejando, executando e perspectivando outras atividades, de modo a enriquecer a proposta de trabalho central.

A realização das atividades de campo também impactou no fortalecimento dos coletivos envolvidos no projeto. Promoveu ainda a integração dos graduandos de Pedagogia com graduandos de outras licenciaturas e bacharelados, de IES públicas e privadas, em torno da temática da Educação do campo; bem como contribuiu para o estabelecimento de relações  formativas com professores da rede municipal em escolas que são base de atuação do projeto, nos municípios de Castanhal, São Francisco do Pará, Igarapé-Açu e mais recentemente São Domingos do Capim.

No âmbito das atividades foram estabelecidos relações dialógicas com grupos locais, Instituições de ensino público e privadas, prefeituras e outros órgãos ou instâncias deliberativas da Educação do campo como o próprio Fórum Paraense e Fórum Nacional de Educação do Campo.

Deste modo, é necessário reafirmar a importância de dar sequência ao PIBID-Pedagogia/Castanhal, como bem solicitar a sua expansão de suas áreas de atuação, tanto no âmbito do Campus de Castanhal, quanto na relação com para instituições de ensino do meio rural de São Domingos do Capim, Mãe do Rio, e São Francisco, uma vez que estas foram demandas solicitadas pelos protagonistas dessas áreas para o projeto.

Anexo(s):


Imagens: